Cadu Doné

Coluna do Cadu Doné

Veja todas as colunas

Um Levir aleatório

O time não é exatamente ruim, mas...

06/03/2019 às 02:14
Um Levir aleatório

Levir não tem me parecido, nos últimos tempos, um treinador detalhista, obsessivo com posicionamentos, com a sincronia dos movimentos, a harmonia de ação entre as linhas. Sobretudo em termos defensivos e inclusive no que tange à recomposição rápida e eficiente quando a posse é perdida. Nesta seara é bem diferente, quase o oposto de Mano Menezes. Com frequência nota-se o Galo dando espaços exagerados entre os volantes e a zaga. No primeiro tempo do clássico contra o Cruzeiro, por exemplo, essas lacunas não ocasionaram chances claras de gol por equívocos na tomada de decisão em oportunidades diversas, de Rafinha, e pela demora em acionar Thiago Neves na entrada da área num lance, digamos, mais específico, em que o defeito mencionado no combate desnudou-se mais cristalinamente – ele ficou livre um tempão; ao finalmente receber a bola, bateu prensado porque a marcação tinha o cercado. Em alguns jogos esse ano, Elias, como segundo homem do meio, padecia pela dificuldade para recuar, fechar os espaços; talvez por isso, o comandante atleticano tenha o adiantado para atuar aberto pela esquerda, no trio de meias do seu 4-2-3-1 – aconteceu na última partida, diante do Defensor. Zé Welison entrou na vaga de Chará para dar mais consistência, preencher melhor a cabeça de área, o centro do campo. Não sei se a mera substituição de peças, entretanto, será suficiente para dirimir contundentemente as analisadas questões.

Pelos lados, não raro Patric e o beque mais próximo não se mostram em sintonia para saber o instante de “afundar”, centralizar, e o momento de abrir, combater as pontas mais diretamente – não necessariamente o caminho de ambos é o mesmo, e em certas ocasiões o entrave está justamente aí: os dois afunilam sendo que ao menos um teria de sair para atacar o oponente na beirada (e vice-versa). A leitura do criticado lateral alvinegro, por si só, em diferentes circunstâncias se prova falha. É perceptível, porém, que usualmente não predomina, não só nele, aquela convicção natural, aquele entrosamento típico de quem foi treinado com louvável esmero; do companheiro que, organicamente, sabe o que o outro vai fazer – não por mágica, e sim por trabalho, por repetição. Na estreia pela Libertadores, frente o Danúbio, no Uruguai, essa fraqueza pelos flancos revelou-se grave.  

Na fase ofensiva, a carência de ensaio coletivo vira e mexe dá as caras na saída de bola, na tentativa de fazer a transição entre retaguarda e ataque. Não à toa, Adílson vem errando passes bobos, perigosos, na própria intermediária. De novo, existe culpa do atleta, é claro. Mas problemas na falta de compactação, de aproximação, de colegas que já estão automatizados, pelos treinamentos, a dar opções para o passe, contribuem.

Perdura no futebol brasileiro a tendência de individualizar demais os diagnósticos. Boa parte da torcida e da imprensa faz isso. É mais fácil de “ver”, explicar; ganha-se a sensação de que encontrou-se um motivo “objetivo”. “Fulano é péssimo, Sicrano não marca, é preciso escalar Beltrano para ter mais ‘pegada’, não dá para ficar sem um ‘Pitbull’...”. Há ocasiões nas quais o obstáculo se materializa pela deficiência de qualidade do jogador; em outros casos, pelo que é tático, coletivo, referente aos treinamentos e/ou à leitura do comandante. Não raramente, estas limitações se misturam...

Outra mania comum por nossas bandas é a de especificar, restringir as carências de um elenco de modo assaz matemático, por posições, como se o esporte bretão fosse ciência exata. “A equipe X precisa de um lateral esquerdo, um atacante, e um armador; o esquadrão Y, por seu prisma, de um zagueiro e um ponta de velocidade”. Em várias situações esse tipo de exame procede, óbvio. O futebol, todavia, em distintas acepções escapa desse mecanicismo. Às vezes, o cenário é o seguinte: “tal time está num nível de excelência ok; num patamar tênue, em determinado sentido; pode encaixar e suceder; mas precisa de algo mais, de um talento extra para tornar a chance de êxito acentuado realmente considerável”. É o quadro do Atlético...    

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Ex-diplomata diz que Brasil ganhou confiança dos Estados Unidos com visita de Bolsonaro: https://t.co/EaY0hAlbgO https://t.co/ViiGjrKZSV

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Campanhas de conscientização estão entre os principais responsáveis pela queda nos números

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Medicamentos falsos podem trazer vários problemas de saúde, piora do quadro clínico e até mesmo matar.

    Acessar Link