Notícias

Combate à crise fiscal do Estado foi o grande desafio da Assembleia na 18ª Legislatura

Por Redação, 08/01/2019 às 12:32
atualizado em: 15/01/2019 às 10:25

Texto:

Foto: Guilherme Dardanhan/ALMG
Guilherme Dardanhan/ALMG

Participantes de eventos da ALMG cobraram que a União compense Minas pelas perdas com Lei Kandir

A crise fiscal do Estado foi a grande prioridade da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) durante a 18ª Legislatura, período iniciado em 2015 e que será concluído em janeiro de 2019.

Ao mesmo tempo em que discutia e aprovava normas para conter o agravamento das contas públicas e reverter o quadro adverso, o Poder Legislativo também procurou dar sua contribuição em nível administrativo. O corte de gastos evitou que o orçamento da Assembleia crescesse acima da inflação. Houve, por exemplo, uma economia de 45% com transporte e de 86% na realização de eventos.

“O Poder Legislativo contribuiu efetivamente para o enfrentamento do deficit fiscal do Estado, por meio da promoção do debate sobre o tema e da aprovação de projetos que tinham como principal objetivo trazer alívio para as contas públicas”, destacou o presidente da ALMG, deputado Adalclever Lopes (MDB).

Uma terceira frente de batalha contra a crise foi a campanha pela correção de uma injustiça histórica: os prejuízos causados pela Lei Kandir, promulgada pelo governo federal em 1996. A norma isentou as exportações de commodities do pagamento do ICMS.

A Comissão Extraordinária de Acerto de Contas entre Minas e a União, criada pela Assembleia de Minas, concluiu que o prejuízo causado ao Estado foi de R$ 135 bilhões, muito superior aos R$ 87 bilhões devidos por Minas à União.

Conheça algumas iniciativas e normas discutidas e aprovadas durante a 18ª Legislatura:

• Revisão do Orçamento – O debate sobre o Projeto de Lei (PL) 5.497/14, que tratava do Orçamento do Estado para 2015, permitiu um dimensionamento correto do deficit fiscal, que foi de R$ 7,3 bilhões em 2015.
• Reformas administrativas – As Leis 21.693, de 2015, e 22.257, de 2016, promoveram a extinção de cargos e órgãos como a Fundação Rural Mineira (Ruralminas). A economia gerada foi estimada em R$ 1,4 bilhão.
• Decreto de calamidade – Por meio do Decreto 47.101, de 2016, o governador do Estado declarou situação de calamidade financeira. A ratificação do decreto pela Assembleia Legislativa permitiu a suspensão de condicionantes legais, viabilizando a quitação de alguns compromissos financeiros.
• Renegociação da dívida – Outro importante alívio nos compromissos financeiros do Estado veio em 2017, com a aprovação do PL 4.705/17, do governador, que autorizou o Estado a renegociar sua dívida com a União, por meio de aditivos ao contrato original, de 1997. A proposição foi transformada na Lei 22.742.
• Refis – Também em 2017, os parlamentares mineiros aprovaram o Plano de Regularização de Créditos Tributários, instituído pela Lei 22.549.
• Direitos creditórios – A Lei 22.914, de 2018, tem o objetivo de conferir segurança jurídica à cessão de direitos creditórios e viabilizar o recebimento antecipado de recursos pelo Estado.
• Precatórios – A fim de garantir que o Estado pudesse cumprir suas obrigações legais, a Assembleia também aprovou o PL 5.011/18, que foi transformado na Lei 23.079. Ela autorizou empréstimo até o limite de R$ 2 bilhões para pagamento de precatórios.

A interlocução entre os Poderes e instituições públicas, com a participação da sociedade, permitiu ainda a aprovação de outras propostas importantes, tais como as que resultaram nas Emendas Constitucionais 96 e 97. A primeira delas torna obrigatória a execução das emendas individuais dos deputados ao Orçamento do Estado.

Já a Emenda Constitucional 97 explicitou, no texto constitucional, a obrigatoriedade de pagamento do piso nacional do magistério aos servidores da educação.

 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Ex-diplomata diz que Brasil ganhou confiança dos Estados Unidos com visita de Bolsonaro: https://t.co/EaY0hAlbgO https://t.co/ViiGjrKZSV

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Campanhas de conscientização estão entre os principais responsáveis pela queda nos números

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Medicamentos falsos podem trazer vários problemas de saúde, piora do quadro clínico e até mesmo matar.

    Acessar Link